Connect with us

Se van los 140 caracteres, llega la nueva estrategia de Twitter

Published

on

La principal característica de Twitter está por cambiar. Jack Dorsey (@jack), CEO de la compañía explicó en un tweet ayer: “hemos pasado mucho tiempo observado lo que la gente hace en Twitter y los hemos visto tomando capturas de pantalla de texto y tuiteando”. Añadió que si este texto fuera imagen sería posible buscarlo y potencializarlo.

 

El formato de 140 caracteres de Twitter proviene de los SMS. Su brevedad requiere ingenio y masificó novedosas formas del lenguaje que condensaron grandes cantidades de información (abreviaturas, hashtags) e incluso en el terreno de la literatura refloreció el formato de la microficción. Twitter requería ingenio y eso lo hizo tener fieles usuarios fanáticos a la brevedad. Entonces, ¿a quién beneficia esta medida?

 

A todos, pero a Twitter sobre todo. El aumento en los caracteres facilitará la comunicación entre las empresas y los consumidores, será un medio más efectivo. Bajo esta lógica, si hay más usuarios y empresas, Twitter obtendrá más ingresos publicitarios, los cuales bajaron de 120 por ciento en 2013 a 60 a finales del 2015, de acuerdo con The Wall Street Journal.

Con 307 millones de usuarios, Twitter  puede crecer mucho y recuperarse, pero debe reformarse por completo. Su apuesta con los 10 mil caracteres es la de convertirse en una plataforma con contenidos nativos, ya no un intermediario entre los medios, las empresas y los usuarios, algo como la función de Instant Articles que reveló Facebook hace algunos meses.


[The Guardian/ The Wall Street Journal]

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

AMÉRICA LATINA

JP Morgan passa a ter menos de 5% do capital da Oi

Mediatelecom

Published

on

Tele.síntese

O banco de investimentos JP Morgan informou ao mercado na noite de sexta-feira, 18, que passou a deter menos de 5% do capital social da Oi. O banco diz que, em função do recente aumento de capital, teve sua participação da concessionária brasileira reduzida a 4,56% (cerca 174,9 milhões de ações).

“Tal redução da participação ocorreu exclusivamente por conta da emissão de novas ações ordinárias pela Companhia que passou a ter no total 3.828.979.960 ações ordinárias de sua emissão, o que diluiu a participação acionária detida pelos fundos, veículos e contas de investimentos geridos pelo JP Morgan”, diz em comunicado enviado à CVM.

Leer más: http://www.telesintese.com.br/jp-morgan-passa-a-ter-menos-de-5-do-capital-da-oi/

Continue Reading

AMÉRICA LATINA

Judicialização de postes em São Luís deixa mercado em alerta

Mediatelecom

Published

on

Teletime – Henrique Julião

As operadoras de telecomunicações estão acompanhando de perto o cenário de judicialização criado em torno de um projeto de readequação de cabeamento nos postes da cidade de São Luís. No fim do ano passado, uma decisão da Justiça maranhense solicitou a proibição da venda de produtos e serviços pela Claro no município caso a empresa não reiniciasse ajustes para o reordenamento da ocupação dos postes na capital. Segundo a operadora, as atividades de readequação sequer foram interrompidas.

Há no mercado o receio que outras cidades ou estados adotem o mesmo tipo de postura, embora o único caso de judicialização contra as grandes operadoras seja, por enquanto, o da capital maranhense. Como existem diversos acordos de readequação sendo feitos em outros municípios, um ambiente de coordenação para a questão da ocupação dos postes se faz cada vez mais necessário. De toda forma, as teles observam muito de perto o assunto.

Leer más: http://teletime.com.br/21/01/2019/judicializacao-de-postes-em-sao-luis-deixa-mercado-em-alerta/

Continue Reading

AMÉRICA LATINA

Anatel nega pedido da Brasscom e mantém prazo de consulta sobre agenda regulatória

Mediatelecom

Published

on

Convergencia Digital – Ana Paula Lobo

A Brasscom tentou, mas não teve o pedido aceito pela Anatel para a prorrogação da consulta pública 49/2018, que trata sobre a nova agenda regulatória para o biênio 2019/2020. A decisão do órgão regulador foi publicada no Diário Oficial da União. O prazo para a entrega de sugestões termina às 23h59 desta segunda-feira, 21/01. A Agenda Regulatória é instrumento de planejamento que agrega as ações regulatórias consideradas prioritárias e que serão objeto de estudo ou tratamento da Agência durante sua vigência.

Entre as prioridades da nova agenda, que foi relatada pelo conselheiro Emmanoel Campelo, estão a revisão do modelo legal das telecomunicações, oferta de espectro, internet das coisas e 5G. Na parte de espectro, além da faixa 3,5GHz para o 5G e um possível leilão ainda em 2019, mesmo que contestado por operadoras como a Claro, do grupo América Móvil, também entrou como ações prioritárias a destinação da banda L, de 1427 a 1518 MHz. 

Leer más: http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=49901&sid=8

Continue Reading

GRÁFICAS

DÍA A DÍA

LO MÁS LEÍDO

Bitnami